ESALQTec apoiou o AgroHack.USP

Crédito: Gerhard Waller

Nos dias 2,3 e 4 de julho, ocorreu no CAMPUS da USP “Luiz de Queiroz”, o AgroHack.USP, hackaton de desenvolvimento de soluções em agricultura digital. Participaram do evento alunos da ESALQ/USP, do Cena/USP e estudantes da USP (desenvolvedores/programadores) de Ciência da Computação, Engenharia da Computação e sistemas de informação da EACH, ICMC, IME, EP e EESC.

O tema do evento (e da competição) foi “soluções para maximizar a produção e minimizar os custos e os riscos das atividades agrícolas, florestais e da produção animal”, relacionado à Tecnologia para Agricultura (agro-tech). O objetivo do evento é fazer com que os alunos aprendam mais sobre empreendedorismo e tecnologia, contribuir com soluções que ajudem a comunidade universitária, com a possibilidade também de levar um prêmio para casa…

Um dos coordenadores da atividade, o presidente do USP CodeLab Butantã, João Francisco Daniel, acompanhou as ações em Piracicaba. “Essa é uma ação que promove a integração entre os campi da USP, já que insere estudantes de diferentes unidades desenvolvendo e programando soluções inovadoras. A relevância de abordarmos aqui o tema do agronegócio é enorme uma vez que esse setor é um dos destaques da economia do País e realmente esse mercado tem muito espaço para novidades tecnológicas em automação, controle, previsão, entre outras áreas”.

Um dos apoiadores do evento, a Agencia USP de Inovação esteve representada na abertura dos trabalhos pelo agente de inovação Paulo Gil, que destacou a relevância da ação em promover o desenvolvimento de novas ideias e soluções. “O Agro.Hack traz novas ideias dos jovens universitários que possam ser transferidas para o campo, para o setor produtivo. Assim surgem ideias que podem certamente se concretizar em novidades aplicadas para o setor agrícola”.

Segundo o estudante de administração da ESALQ/USP Fabiano Augusto, a participação no AgroHack foi uma experiência muito gratificante: “ O trabalho em equipe com pessoas ao qual você não conhece e o contato com a área de atuação delas, todos afim de chegar em uma mesma ideia, no caso, uma inovação tecnológica para o agronegócio, foi um aprendizado muito grande. Hoje me considero um apoiador dessas iniciativas dentro do meio acadêmico, pois, é a partir delas que podemos desenvolver novas, ideias, tecnologias, a integração com outros setores e fomentar cada vez mais o empreendedorismo, não só no meio do agronegócio mas no geral como um todo.”

A equipe vencedora desenvolvel o projeto “Joint Hands”. Wilton Lopes Felix Junior, estudante da ESALQ que compôs a equipe vencedora, relatou sobre o trabalho que foi desenvolvido: “De acordo com o 2º. Censo AgTech Brasil – 44% das Startups Agtech declararam que um dos maiores desafios é realizar a primeira venda, à vista disso nasceu o Joint Hands, visando certificar Startups de inovações para o agronegócio, com objetivo de diminuir os riscos de produtores e empresas que contratam os seus serviços. Utilizando inteligência em pesquisa de mercado, com as ofertas e demandas. Assim, com o mapeamento das Startups Agtech em âmbito nacional, promovemos a certificação dos serviços e o tempo de vida do projeto. Ao receber esse selo, Startups incorporadas, em estágio inicial, poderão realizar as primeiras vendas com o CNPJ da Incorporadora, de maneira que possibilite o início das vendas e escale o negócio. Após a maturação dessa startup, ela receberá o selo de investimento.

O Agro.Hack USP teve apoio da Esalq, Agência USP de Inovação, USPCodeLab e EsalqTec, que conta com os parceiros Santos Lab, Pecege, Lallemand e Logicalis.

Texto: Rodrigo Ribeiro

Fonte: ESALQ/USP

Add a Comment